Mescalina (Alucinogéneo) p5p14p159 Mescalina (Alucinogéneo) A mescalina obtém-se do cacto (Lophophora Wlliansii) que cresce nas zonas desérticas do norte do México... A mescalina obtém-se do cacto (Lophophora Wlliansii) que cresce nas zonas desérticas do norte do México. Na época pré-hispânica era utilizada de uma forma ritual pelos chamanes de várias tribos, mas a conquista e a conversão ao catolicismo reduziu a sua presença a sectores marginais de Huicholes e Yakis.

Nos finais do século XIX, as guerras da chamada "Conquista do Oeste" provocaram intensas migrações para reservas índias, no interior das quais (em parte como reacção aos problemas causados pelo álcool) se gerou um movimento de revitalização religiosa, conhecida como Igreja Nativa Americana, que utiliza rebentos de Mescalina em alguns rituais. O consumo para este fim, assim como o seu transporte e venda, foram legalizados nos EUA por uma disposição federal. Nos anos 60 a mescalina popularizou-se a partir da obra de Carlos Castañeda sobre D. Juan, um bruxo Yaki, e converteu-se num dos sinais de identidade do movimento da contra-cultura. É interessante que esta popularidade se tivesse desenvolvido à margem da Igreja Nativa Americana e que tivesse sido necessário criar uma "visão teórica e conceptual" alternativa, aproveitando os resíduos que puderam ser detectados no deserto de Sonora. As investigações jornalísticas que demonstraram a fraude da criação atribuída a Castañeda - os textos que foram feitos num departamento da UCLA - (De Mille, 1986), não modificaram em nada a associação, no imaginário da contra-cultura, entre a mescalina e um suposto misticismo do deserto.

Apresentação. Vias de administração

Por tradição é consumida por via oral (mastigada ou mediante uma infusão feita com esse produto). Actualmente a mescalina é refinada em forma de pó, ingerida ou ocasionalmente injectada.

Aspectos farmacológicos

É absorvida rápida e completamente pelo tracto intestinal e a duração média de vida plasmática é de seis horas. Alcança a sua máxima concentração no cérebro entre os trinta e os cento e vinte minutos após a ingestão; 90% da dose é eliminada nas 24 horas seguintes à sua administração. O efeito alucinatório consegue-se com doses de 500 mg, podendo permanecer no organismo uma média de dez horas.

Efeitos

O efeito psicadélico é semelhante ao do LSD. Os efeitos físicos são mais intensos.

Efeitos psíquicos: a percepção é mais intensa e brilhante. As cores e as texturas aparecem mais ricas, os contornos mais nítidos, a música mais carregada de emoção, os cheiros e sabores são mais intensos. As sinestesias são frequentes: os sons podem ser vistos e as cores ouvidas. Podem-se experimentar distorções da imagem corporal e da percepção do espaço e do tempo. As alucinações costumam ser visuais, com figuras ou formas geométricas. As emoções são intensas e podem mudar de forma abrupta. Aumenta a capacidade sugestiva. Podem aparecer sintomas de despersonalização e ideias paranóides.

Efeitos físicos: secundários à estimulação do sistema nervoso simpático: tremores, taquicardia, hipertensão, hipertermia, transpiração, visão enevoada, dilatação da pupila.

Quanto aos efeitos a longo prazo e ao potencial de dependência, são semelhantes aos do LSD.
120 data 25-06-2003 22:40:43 111969643 sim sim [Perfis]