Ecstasy (Droga de síntese) p5p14p155 Ecstasy (Droga de síntese) A MDMA conta com um longo percurso, uma vez que se trata de uma substância "descoberta" muito antes das anfetaminas ou dos alucinogéneos... A MDMA conta com um longo percurso, uma vez que se trata de uma substância "descoberta" muito antes das anfetaminas ou dos alucinogéneos. Foi patenteada em 1914 na Alemanha, pelos laboratórios Merck, como um medicamento supressor do apetite, que nunca chegou a ser comercializado.

Foi abandonada até à década de 50, época em que foi retomada para fins experimentais (interrogatórios, psicoterapias).

Os primeiros consumos ilegais detectaram-se durante os anos 60 e 70 no oeste dos EUA, facto que levou à sua proibição neste país em 1985. Desde a década passada surge com força na Europa; um exemplo foram as 4.325 pastilhas que as autoridades espanholas confiscaram em 1989, face às 645.000 apreendidas em 1995.

Nos finais dos anos 80, começaram a espalhar-se por toda a Europa, acompanhando diversas modas musicais e o estilo de vida de alguns locais do mediterrâneo. A sua expansão também não é alheia à queda do muro de Berlim e ao descontrolo político de alguns dos países do Leste europeu, com uma enorme indústria farmacêutica. Sem dúvida que o tema mais falado dos anos 90 foram as drogas, apesar do seu consumo se estar a reduzir e as consequências da sua presença, mais ou menos massificada nestes anos, ser menos dramática do que se imaginava.

Apresentação. Vias de administração

Apesar de se conhecerem algumas experiências por injecção e por inalação, esta droga administra-se normalmente por via oral, em forma de barras, cápsulas ou pó, sendo o uso das primeiras o mais frequente.

Apresentam-se sob diversos aspectos, tamanhos e cores, com a finalidade de as tornar mais atractivas e comerciais. Os nomes com que são conhecidas derivam frequentemente da sua aparência externa, sendo mesmo uma garantia de qualidade. Deve ter-se em conta que as pastilhas disponíveis variam, na realidade, quer no seu aspecto exterior quer no seu conteúdo (pastilhas e comprimidos semelhantes diferem na sua composição e proporção). Os utilizadores tendem a considerá-las como uma única droga, ignorando em muitas ocasiões o que é que, verdadeiramente, estão a tomar.

Aspectos farmacológicos

Todas as drogas de síntese são derivados anfetamínicos com uma composição química muito próxima da mescalina, um alucinogéneo conhecido. É essa combinação que explica a singularidade dos seus efeitos.

A dose efectiva de MDMA oscila entre 75/150 miligramas por via oral. Os primeiros sintomas aparecem entre os trinta e os sessenta minutos depois de ser ingerida, alcançando em duas horas a chamada fase de estabilidade. A partir daí, os efeitos principais começam a diminuir para desaparecerem depois de quatro ou seis horas. Os efeitos secundários podem durar várias horas mais e algumas consequências residuais, sobretudo de tipo psicológico, podem manter-se mesmo depois do fármaco ter sido completamente metabolizado pelo organismo (nas 40 horas posteriores à sua ingestão, aproximadamente).

Efeitos

Tendo em conta que quase nunca se sabe com precisão quais são os componentes do produto que se vende como Ecstasy e que os seus efeitos podem variar de forma considerável, passamos a enumerar as consequências mais frequentes do consumo de MDMA:.

Efeitos imediatos.
Efeitos físicos (por ordem de frequência): trismo (contracção dos músculos da mandíbula), taquicardia, ranger dos dentes, secura da boca, diminuição do apetite, dilatação das pupilas, dificuldade de caminhar, reflexos exaltados, vontade de urinar, tremores, transpiração, cãibras, insónia.

Efeitos psíquicos (por ordem de frequência): sensação de intimidade e de proximidade com outras pessoas, aumento da capacidade comunicativa, euforia, loquacidade, despreocupação, autoconfiança, expansão da perspectiva mental, incremento da consciência das emoções, diminuição da agressividade, intensificação da consciência sensitiva.

Efeitos tóxicos agudos: arritmias, morte súbita por colapso cardiovascular, acidente cérebro-vascular, hipertermia, hepatotoxicidade, insuficiência renal aguda. Estas alterações são semelhantes às produzidas por outros psico-estimulantes.

Efeitos a médio e longo prazo (mais de 24 horas).
Efeitos físicos: cansaço, sonolência, dores musculares, fadiga, tensão nas mandíbulas, cefaleia, secura da boca, lombalgia, hipertonia cervical, rigidez articular.

Efeitos psíquicos: deterioração da personalidade, sensação de uma maior intimidade com as pessoas, depressão, ansiedade, ataques de pânico, má disposição, letargia, psicose, dificuldade de concentração, irritação, insónia.

Potencial de dependência.
Devido ao grande número de pessoas que se supõe já terem experimentado o ecstasy nas últimas décadas e à inexistência de consumidores que mantêm uma utilização crónica, pode dizer-se que esta droga não provoca dependência. Contudo, como já foi descrito, não está isenta de outros riscos devidos à sua toxicidade.

O seu uso contínuo pode favorecer um desenvolvimento de tolerância, embora os padrões de consumo compulsivos verificados não permitam fazer ainda afirmações categóricas a esse respeito.
80 data 25-06-2003 22:38:32 111969512 sim sim [Perfis] substancias_ecstasy1.jpg