p4 Tratamento Do pedido de ajuda ao regresso à autonomia, percorre-se o caminho do TRATAMENTO, numa parceria de responsabilidade mútua entre os que são capazes de prestar ajuda e aqueles que dela necessitam.

A experiência acumulada ao longo dos últimos anos, a mudança rápida da realidade da toxicodependência (o tipo de substâncias consumidas, os contextos dos consumos e as características dos consumidores), a evolução permanente dos conceitos e das modalidades terapêuticas fazem da área do tratamento um espaço–teste à capacidade do IDT, enquanto estrutura, de se flexibilizar para se adaptar permanentemente às solicitações.

A área de intervenção central, tem como perspectiva, não um modelo que vise exclusivamente a abstinência, mas sim um modelo compreensivo do toxicodependente, numa trajectória que vai  do primeiro pedido de ajuda ao momento em que o consumo de substâncias deixa de ser o objectivo central da sua vida, e que passa por um conjunto de etapas importantes que são já por si terapêuticas.

O tratamento é, assim, entendido como um processo dinâmico e complexo, que não visa apenas a paragem do consumo. Avalia-se a partir do conjunto de mudanças que vão tendo lugar na vida do indivíduo: Só uma intervenção que considere as diferentes áreas de vida do indivíduo, os aspectos psicológicos, de história de vida, familiares, sociais e laborais, poderá levar ao sucesso terapêutico .

O tratamento do toxicodependente reflecte a complexidade biológica, psicológica, histórica e social  do problema e, neste enquadramento, evoluiu-se  de uma perspectiva em que ao toxicodependente se propunha como objectivo a cura através da paragem dos consumos para uma concepção mais próxima do cuidar, que implica uma intervenção contínua que se adeque às necessidades de cada fase: desabituação, terapêutica de substituição e reinserção, e apelando as áreas da saúde quando nos confrontamos com as situações de co-morbilidade psiquiátrica ou de tratamento de doenças infecciosas. 4 numero 04-12-2002 00:00:00 94003200 sim sim [Perfis]